Moda

O tão falado Estilo “Sem Gênero” na vida real

Genderless, no gender, sem gênero, unissex… Chame do jeito que quiser, a verdade é que essa não é uma novidade do século 21, mas como tudo que está relacionado a gênero acaba virando polêmica, esse assunto vem ganhando uma super proporção também na indústria da moda.

Uma coisa que eu gostaria de deixar clara é que esse post não tem o intuito de tratar sobre comportamento, muito menos discutir os pormenores dessas questões, e sim, falar sobre como a moda vem lidando com essa transformação. Ok, guys?!

Não é de hoje que peças masculinas fazendo um tour nos closets alheios deixou de ser novidade, e não são só peças inspiradas no estilo masculino, tem muita mulher que dá aquela surrupiada na camisa do namorado ou na calça do irmão porque o resultado ficou bem melhor do que ela esperava. Vai dizer que é mentira??? (risos)

A verdade é que o contrário é quase sempre tido como aberração. Homens vestidos com peças femininas? Como diria minha vó… Onde já se viu?

Basta, por exemplo, que o Jaden Smith, e obviamente ele não é o único a fazer isso, mas é sem dúvida um dos maiores representantes e defensores do estilo, apareça usando algo mais feminino  que o convencional para que todos os olhos se voltem ao menino que mais “bota casaco e tira casaco” de Hollywood, sem falar que automaticamente sua sexualidade ou seu gosto duvidoso são automaticamente colocados em xeque.

Esse ano a C&A lançou algumas campanhas publicitárias que tratavam sobre ousar e misturar tendências, o que gerou uma série de polêmicas, mas já era o início da massificação do assunto. E vale lembrar que é preciso muito bom senso para que isso não acabe caindo no ridículo e virar motivo de chacota, como aconteceu com a suposta coleção sem gênero da marca. Confere aê:

O lance é que a moda “sem gênero” vai muito além dessa troca de peças entre guarda-roupas masculino e feminino. Tudo é pensado de forma que os produtos possam ser usados por ambos os sexos sem distinção, sem preconceito e em sua maioria, prezando por conforto e liberdade.

Como de costume, as tendências surgem primeiro lá fora, inúmeras marcas estão investindo nesse conceito genderless como a Ader (marca pela qual, diga-se de passagem, eu me apaixonei quando estava buscando referências para escrever essa matéria),  e aos poucos as marcas brasileiras vão se apropriando e disponibilizando no mercado, a exemplo disso também temos a Melissa que vem investindo num design baseado nos genderbeders dos anos 50 e do João Pimena que em parceria com Daniel Ueda apresentou sua coleção sem gênero nas passarelas do último SPFW e recebeu inúmeros elogios.

Se interessou pelo assunto e quer conhecer um pouco mais sobre o estilo? Então se liga na lista de marcas brasileiras que eu separei pra vocês e  que estão investindo nessa pegada também:

Ülevus | Beira | Ocksa | Pangea | Copy of a copy | YouCom | Pair | Cemfreio | Fuckt! | Another Place | Trendt

E vocês, o que acham da moda sem gênero?

Imagens: Google | Pinterest

Leave a Reply